Sergio Gordilho

0

Formado em arquitetura, pós-graduado em Graphic Design pela Royal College of Art, em Londres, e MBA pela Berlin School of Creative Leadership, Sergio Gordilho é um dos mais respeitados e premiados diretores de arte do Brasil. Na Africa desde a sua formação, Gordilho já foi eleito Profissional de Criação pelo Caboré e pela APP.

Sergio foi apontado em 2014 como Agency Innovator pela organização The Internationalist, sendo o único brasileiro apontado nessa seleta lista composta por 31 nomes que, desde 2006, tem nomeado executivos inovadores de todas as partes do mundo que estão mudando o negócio de seus clientes e fazendo a diferença para suas agências e anunciantes. Profissionais que têm habilidade de reconsiderar e inovar os processos na construção de marcas, incentivando a colaboração, gerenciando riscos, trabalhando em meio a mudanças rápidas e nunca perdendo de vista a “big idea”. 

Em 2015, Gordilho ficou em primeiro lugar no ranking dos diretores de criação de todo o mundo mais reconhecidos dentro da Lürzer’s Archive, uma das mais prestigiadas e importantes publicações do mercado publicitário mundial. Além disso, foi reconhecido pela GQ como um dos 20 publicitários mais influentes do Brasil e entrou para o Hall da Fama do Marketing Nacional, através da Abramark (Academia Brasileira de Marketing).

Sob sua liderança criativa, a Africa, que é responsável pela comunicação de marcas como Itaú, Brahma e Vivo, foi eleita em 2014 International Agency of the Year pela Advertising Age, bíblia da propaganda mundial, e apontada pela Adweek, publicação que é referência do mundo da propaganda, como uma das 10 agências mais criativas da atualidade. Além disso, em 2015 foi considerada Agência do Ano na Lürzer’s Archive, após ter emplacado 22 campanhas durante o ano, ficando à frente de agências como BBDO de Nova York, AMV BBDO e adam&eveDDB, ambas de Londres.

 

ENTREVISTA

 

PortfolioLovers. 

No fundo, no fundo, o que fez você escolher essa profissão?

Gordilho.

Acho que acabei entrando em publicidade por pura sorte. Na verdade, a publicidade me escolheu antes de eu escolhe-la. Que sorte a minha. Sou dos anos 70, de outro tempo, de outra época. De uma galáxia distante. Sou da turma do Star Wars original. Neto e filho de arquitetos, nasci e me criei em cima de uma prancheta. Conectar na minha época de estágio era juntar um tubo ao outro.

Não havia Google, facebook, YouTube, enfim, não éramos conectados. Ou seja, a minha visão de mundo era curta. Você abraçava o que estava apenas ao seu alcance. E o alcance era limitado. Hoje vcs tem muito mais informação, muito mais possibilidades. No meu caso, o meu caminho já estava gravado em pedra: ser arquiteto. Le corbusier, Niemeyer e todos os grandes arquitetos que me perdoem mas arquitetura tinha e tem um timing de execução que não combinava com minha urgencia em produzir. Arquitetura é uma profissão que necessita de tempo para amadurecimento.

Sempre fui um baiano agoniado. Minha dinâmica não combinava com arquitetura. Mesmo assim fui até o final e agradeço por tudo o que aprendi. E olha que aprendi muito pois arquitetura é base para muitas outras possibilidades, inclusive propaganda. Mas não estava feliz, por isso comecei a buscar outros caminhos. 

Procure sempre a felicidade, a suaSe você não está feliz é porque tem alguma coisa errada mesmo que tudo pareça certo. Fui cartunista, designer de abadá de carnaval, programador visual, ilustrador, até que a sorte bateu na minha porta, quando um DC viu uns trabalhos meus e me deu um estágio numa agência. Olha a sorte aí.

Não tinha a mínima ideia do que ia fazer por lá. Só me disseram que precisava saber desenhar. Fui na cara e coragem. Essas são qualidade que se devem ter se vc decidir vim trabalhar em publicidade: cara, coragem e um pouco de sorte.

Publicidade é uma das profissões mais dinâmicas que vc pode escolher para trabalhar. Apesar das longas horas e da extrema competitividade Não existe um dia igual ao outro, vc ainda interage com pessoas extremamente interessantes e inteligentes. Aqui você é provocado o tempo todo. Propaganda não é lugar pra gente morna. Propaganda precisa de atitude. Você tem que entrar com cabeça de dono, se sentir dono. Ter ambição. Por isso eu amo o que faço, sem nunca deixar de continuar desenhando.


PortfolioLovers. 

Muitos jovens tem dúvidas sobre sua escolha em ser um criativo. Que fatores ou “sinais” acha importante para ajudar nessa decisão? 

Gordilho.

Temos que começar reconhecendo que todos somos criativos. Isso não é um privilégio de quem trabalha em uma agência de propaganda, muito menos no departamento de criação. Aliás, esse conceito é tão velho quanto a palavra departamento.

Pensar que se você é criativo, só existe a área de criação é reduzir suas possibilidades. Midia é uma das áreas onde cabe mais criatividade nesse novo mundo. Por isso é bom estar com a cabeça e o coração aberto e ver com carinho todas as outras áreas de uma agência. Então se depois de avaliar e mesmo assim só quer a área de criação, algumas características de um bom diretor de arte/redator/on/off tem que ser destacadas.

Primeiro, você tem que ser muito observador pois pessoas criativas são hábeis em garimpar informações das mais diversas fontes de maneira nova e surpreendente. Segundo, você tem que ser inquieto, desafiar o status quo, pois criatividade é o final de um processo de desafiar fórmulas e comportamentos estabelecidos. Terceiro, Por ser um processo continuo, o trabalho criativo numa agência é mais transpiração do que inspiração. Ou seja, voce tem que ser incansável e persistente. Glamour só no MADMEN.

E por ultimo, você tem que ser ambicioso. Publicidade é uma profissão de ambiciosos. Não cabe pensar pequeno. Aliás, não dizem que pensar pequeno e grande dá o mesmo trabalho? E se você conseguir se encaixar ou se ver com esses códigos e conseguir entrar numa agência, vai entender porque viramos tantas noites, trabalhamos tanto nos finais de semana e ficamos horas discutindo o que para a maioria é nada: paixão. Somos um bando de apaixonados.


PortfolioLovers. 

Anúncios, roteiros, ações, videocases, aplicativos, etc. Afinal, o que é legal ou não ter na pasta? 

Gordilho.

Uma pasta tem que ser o que um diario é para uma adolescente. Tem que conter seus segredos, guardar suas crenças. Uma pasta tem que expressar o que você é, o que você acredita, o que vc pensa. É o seu raio X. O resultado do seu check up. Uma pasta tem que ter personalidade. Sua personalidade. Não importa se é fisica ou digital.

Já contratei talentosos criativos sem ver um anúncio ou ação. Já contratei igualmente talentosos criativos só assistindo filmes. E ultimamente, pelos videocases. Não existe outra fórmula e só uma forma: impressionar a quem você está apresentando com sua personalidade. E pra isso vale tudo. Filmes, rascunhos, desenhos, etc.

Me lembro de um cara que entrevistei outro dia. Ele se fantasiou de moderno. Usou as marcas corretas, gastou horas no penteado, decorou as falas. E só. Quando abri sua pasta vi um cara careta, clássico, que nem de perto se aproximava daquela imagem pós tudo que se postava na minha frente. Claro, que não rolou. Não por ser certinho, mas por sem ambíguo. Pois não buscamos perfis e sim autenticidade. Seja autêntico. Se estiver no lugar certo, vai rolar. Mesmo que não naquela hora pois sua imagem ficará marcada.

Saiba que numa agência cabe tudo. Tem espaço pra todos. E o cara que está te entrevistando tá louco pra encontrar um talento. O vento está a seu favor. Então, aproveita e prepara a sua pasta da maneira mais bem acabada possível. Pois quanto mais bem acabado for, mais chances você tem do DC te “sacar”. Mas leve o que você acha significante com uma ressalva: edite. Editar é o segredo, levar 100 peças pro cara que vai te entrevistar escolher, não rola. Eu sempre levei 8, no máximo. Confie no seu taco.

E MAIS IMPORTANTE: Só mostre sua pasta a quem você admira. A quem você acredita que pensa igual a você. Não gaste tempo apresentando-a pra quem pensa diferente. Batalhe por isso. É como se, metaforicamente, você fosse corintiano e fosse apresenta-lá a um palmeirense. Ou não iria rolar ou seria um atraso na sua vida.


PortfolioLovers. 

Se pudesse escolher apenas 3 fontes de referências, quais seriam? 

Gordilho.

Há alguns anos, assisti a um documentário sobre a grande Diana Vreeland, um referência em criatividade e ex colunista/editora da Vogue e da Harper’s Bazaar. Ela disse que o segredo em ser criativo é sempre levar seus olhos para viajar, que os olhos tem que viajar. Esse é um mantra e uma direção quando você for buscar referências. Qualquer lugar é lugar pra viajar com os olhos.

Viajar com os olhos não é só pegar um avião e ir pra NY. É tirar o preconceito, enxergar o obvio com outras lentes. Isso pode parecer, como dizemos na Bahia, Axe-babão, mas é a mais pura verdade. Tem gente que conheço que viaja muito, mas muito mesmo e não vê nada. Abra seus olhos. Deixe eles viajarem. Exercite isso no caminho de casa. Aí sim, te deixo algumas dicas.

Uma que sempre faço é ir em feiras de arte. Buscar o original, o fresco. O artista interpreta primeiro o que a sociedade pensa. Os olhos deles são mais abertos que os nossos. Vá em feiras. Se não puder, as frequente pelos sites e posts no insta. Todo mundo posta. Pra mim a Freeze, e a Miami Art Basel são as melhores. Não porque são as maiores mas por que são as mais comerciais. Propaganda é venda vestida de arte.

Outra coisa que faço muito é ler e assistir biografias. Pois é a maneira mais fácil e rapida de aprendendo com os erros dos outros, acertar mais rápido ou com mais frequência. Pronto, contei.


PortfolioLovers. 

Imagine que um dia, um de seus filhos escolha ser um criativo. Que conselhos daria? 

Gordilho.

Tem um frase do Eisntein que me pautou no inicio da minha carreira. “Everybody is a genius. But if you judge a fish by its ability to climb a tree, it will live its whole life believing that it is stupid.”

Escolher aonde você irá colocar sua criatividade muda o seu jogo. Essa escolha que te fará ser reconhecido como um gênio ou um mediocre. Simples assim. Eu tenho duas filhas, a Valentina e a Veridiana. Ambas são muito criativas. Cada uma do seu jeito. Eu sempre as estimulei a serem. Ser criativa não quer dizer que elas tem que trabalhar em propaganda. Ser criativa é uma das qualidades mais desejadas nesse novo mundo. Ser criativa é saber sair de apuros, encontrar soluções, buscar novas possibilidades. Isso poderá ajudar as duas em qualquer profissão que escolherem. Até na publicidade.

Meu sonho é que elas encontrem onde melhor colocar sua criatividade, as suas ideias. A Bíblia nós ensinou: Diga-me com quem andas que te direi quem és. Então, procure seus semelhantes. Não pelo físico mas pelas crenças. E que sejam felizes e realizadas fazendo isso e não desmotivadas por acharem que não tem boas ideias apenas porque escolheram o lugar errado para te-las.

Isso eu faço com minhas filhas, isso eu falo pra vocês.

Procure os 3 S’sSiga seu instinto, Siga seu coração, Seja feliz.

No final, é o que importa.

 

 

 

 

 

 

Deixe seu comentário