Flavio Waiteman

0

Flavio Waiteman trabalhou na W/Portugal em Lisboa, Master em Curitiba e São Paulo e agência Africa em São Paulo. Atendeu contas como Itau, Mitsubishi, Ministério da Saúde, Vivo, Vale e TIM. Em seu currículo estão prêmios como Grand Prix em Filme no Festival de Nova York, Leões em Cannes, Clio, One Show e Profissionais do Ano Nacional. Atualmente é diretor de Criação da Escala.

ENTREVISTA

PortfolioLovers

No fundo, no fundo, o que fez você escolher essa profissão?

Flavio Waiteman

Sempre fui uma criança ativa e curiosa. A curiosidade te leva para a criatividade. E a criatividade para alguma área artística ou que inclua os fundamentos artísticos. A publicidade inclui os fundamentos artísticos e ao mesmo tempo permite que você viva dessa atividade, mesmo sendo jovem.

Com a arte você ganha seu sustento após muitos anos de dedicação. Com a publicidade, mesmo durante o processo de amadurecimento artístico e profissional,  você pode viver da atividade. É a possibilidade de flertar com a arte no decorrer de uma atividade profissional. Um dos melhores lugares do mundo para se estar, na verdade.


PortfolioLovers

Muitos jovens tem dúvidas sobre sua escolha em ser um criativo. Que fatores ou “sinais” acha importante para ajudar nessa decisão? 


Flavio Waiteman

Criatividade é disciplina e talento. Só acontece você ser publicitário se tiver, no mínimo, essas duas qualidades. Só talento sem disciplina, precisaria ser um talento tão grande, mas tão grande que provavelmente você se dedicaria às artes. Só disciplina, sem talento para comunicação, melhor seria uma outra atividade mais executiva do que criativa. A vontade de tocar as pessoas com uma mensagem relevante precisa estar todos os dias na sua cabeça. Criar peças relevantes para a cultura nacional, para o popular, ou até mesmo conceitos que ajudem a sociedade a trilhar um consumo mais consciente ou inteligente, são motivos que me fazem todos os dias tentar ser um criativo.


PortfolioLovers

Anúncios, roteiros, ações, videocases, aplicativos, etc. Afinal, o que é legal ou não ter na pasta? 

Flavio Waiteman

De maneira prática, criação publicitária são idéias que tornam o mundo que a gente conhece mais interessante, divertido, inteligente, emocionante. Qualquer coisa vale. Até um texto bem escrito numa Olivette que você compra na feirinha da benedito calixto em Pinheiros. Dito isso, que vale tudo, vale o que vier, só não vale mostrar um app, para ter um app. Só não vale mostrar um videocase, por ser um videocase. Legal é mostrar o que você tem de legal, seja lá o que for.


PortfolioLovers

Se pudesse escolher apenas 3 fontes de referências, quais seriam? 

Flavio Waiteman

1- Metrô de São Paulo. – Como a agencia em que estou trabalhando fica na Vila Madalena e moro perto da Paulista, tenho ido frequentemente de Metrô ao trabalho.

Tem sido uma experiência muito bacana. Sempre andei de transporte publico, mas as vezes São Paulo te coloca dentro de um carro e te manda ao trabalho. Dai você se isola. Estudei em janeiro em Nova York e tanto eu como todo mundo so andávamos de metrô. E pensei, ora, que ótimo é isso. Observar pessoas. Não consigo falar com quem eu preciso, se não conhece-los direito. Por isso é tão importante. Outro dia, encontrei um garoto, em pé, lendo o livro Submissão de Holleibeck. Pensei: tomara que um dia possa fazer uma campanha para uma pessoa como essa.

2- Jornal O Valor – criamos a partir de necessidades. E por mais que as pessoas assistam youtubers, novelas ou mangás, todos nós obedecemos a uma série de preceitos macroeconômicos e macroculturais. O Jornal O Valor procura falar desse macro, inclusive cultural, de uma maneira que consigo entender. É possível entender os movimentos nacionais que irão acontecer com esse tipo de leitura. Muitas vezes você lê uma reportagem e não entende muito. Mas depois de um tempo vai ligando os pontos do dia-a-dia com aquilo que você leu.

3- Wired – informação é  a principal fonte de criatividade. A informação que vem das pessoas, metrô, a informação que vem dos mercados e as tendências tecnologicas. E ai a Wired sempre foi e é até hoje a melhor fonte de referência.


PortfolioLovers

Você tem uma história rica na carreira, tendo trabalhado em agências de diversos perfís e em diferentes mercados. Conte um pouco sobre essa experiência e o quanto esse percurso influenciou na sua visão de mercado.


Flavio Waiteman

Minha historia profissional obedece a um preceito: recomeçar. Sempre recomecei. 

No interior de São Paulo, eu tinha uma agência de publicidade. Vendi para os meus sócios a minha parte e fui em busca de conhecimento. Fui trabalhar em Portugal, na agencia W/Portugal. Trabalhar fora do país lhe dá resiliência e força. Quando estava engrenando lá, pensei que seria legal tentar trabalhar no Brasil. E após 5 anos fora voltei para o Brasil. Trabalhar em Curitiba foi bacana. Ganhei leão, Grand Prix de film em Nova York, One Show, Clio, etc, trabalhando lá. Dai veio o convite para vir para São Paulo, aonde estou até hoje. Encarei e fui trabalhar em 2006 na Africa. Mas como redator. Dei alguns passos atrás. Recomecei. Reaprendi. E sempre fui assim. Andando pra frente quando dava e quando precisava recomeçar, fazia sem medo. Quer dizer, com medo, mas fazia e faço.

Isso acabou se tornando uma maneira de ver a vida, a profissão e o trabalho no dia-a-dia. Recomeçar sempre e buscar algo, alguma experiência que não tinha antes.

 

PortfolioLovers

Imagine que um dia, um de seus filhos escolha ser um criativo. Que conselhos daria?  


Flavio Waiteman

Tenho duas filhas. Acredito que elas vivam de uma maneira criativa. O importante é só se realizar como pessoa e ser feliz. Se a felicidade vier da criatividade como trabalho, ótimo. 





Deixe seu comentário